União Estável

União, Estável, mesmo, forma, mitos, porém, alguns, muitas, acredita, levar, propaga, população, dúvidas, Muito, ESTÁVEL, instituto, existem, UNIÃOUNIÃO ESTÁVEL
Muito se fala no instituto da União Estável, porém existem dúvidas e até mesmo alguns mitos que a população acredita e propaga de uma forma que pode levar muitas pessoas a erro.

Tentaremos de forma sucinta, objetiva e direta trazer os principais pontos da União Estável e derrubar algumas “mitos” sobre esse importante tema.

Mas o que é União Estável afinal: Nosso Código Civil de 2002, no título III trata da União Estável conforme o caput do Art. 1723:

Art. 1.723. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.

Em que pese o Art., trazer em sua redação a união “homem e mulher”, o Supremo Tribunal Federal em 2011 equiparou as relações homoafetivas às relações heterossexuais. Já a Resolução 175/2013 do Conselho Nacional de Justiça – CNJ dispõe sobre a habilitação, celebração de casamento civil, ou de conversão de união estável em casamento, entre pessoas de mesmo sexo.

Diante dessa primeira explicação, podemos perceber alguns mitos no tocante à União Estável como por exemplo: i) prazo de 2 anos; II) precisa morar na mesma residência, III) a conversão do casamento anula o período de união estável entre outros.
Vamos tentar realizar os principais apontamentos:
I) Prazo: Não, não há na lei nenhum prazo mínimo determinado, ou seja, não há que se falar em 1 semana, 1 mês ou 1 ano. O que vai se comprovar é se a relação é continua, duradoura e se existe a intenção de constituir família.;

II) Mesma residência: O STF já pacificou através da súmula 382 o entendimento de que NÃO, não é necessário residir no mesmo local, ou seja, sob o mesmo teto para que seja configurada a União Estável;

III) Coabitação e Constituição de Família: Talvez seja aqui o ponto mais delicado, afinal o que seria de fato constituir família. Na história o casamento era uma instituição sagrada, indissolúvel e destinada à reprodução, definição à época do conceito de família, duas pessoas se unem para reproduzir, tendo ali a “família” pai, mãe e filhos. Após o período da revolução industrial e a consolidação da contemporaneidade, houve o aumento da complexidade das relações, criando-se assim diversos tipos de família, extinguindo então aquela ideia de família sendo pai, mãe e filhos. Devido a diversas alterações, costumes, notou-se que as questões relativas ao matrimônio para fim de reprodução começaram a se enfraquecer e não ser mais o fator determinante, iniciando assim uma ideia de unidade familiar pelo afeto, haja vista que, pessoas podem sim constituir uma família sem que haja a reprodução. Nessa seara evidente que não seria como um pré-requisito à união, como não é ao casamento, a coabitação, imagine uma pessoa que por uma enfermidade não consiga coabitar, por isso essa pessoa deixaria de querer constituir uma unidade familiar;

IV) Casado(a) pode ter união estável. Depende. Conforme prevê o § 1 do Art. 1723 do CC, a pessoa casada poderá ter a união está reconhecida desde que, esteja separada de fato ou judicialmente.

§ 1 o A união estável não se constituirá se ocorrerem os impedimentos do art. 1.521; não se aplicando a incidência do inciso VI no caso de a pessoa casada se achar separada de fato ou judicialmente.

V) Divisão dos Bens: Assim como no casamento, caso não haja nenhum documento contrário o regime que prevalece é o da comunhão parcial de bens, ou seja, tudo que for amealhado durante o período da união estável será partilhado 50% para cada. Nada impede que no ato da formalização da união estável, as pessoas escolham a forma como pretendem partilhar os bens futuramente.

VI) Reconhecimento e Dissolução da União Estável: Recebo muitas perguntas sobre o fim da união estável quando essa não foi regularmente registrada, ou seja, formalizada e com o seu fim as partes não sabem como resolver. O Ideal é ingressar com uma ação judicial de Reconhecimento e Dissolução de União estável, onde será declarado pelo Juiz o termo inicial e termo final do período da união e seus reflexos. Os bens em regra serão partilhados pela regra geral, ou seja, 50% para cada, porém, podem as partes em comum acordo, optarem ainda que em juízo de forma diversa;

VII) Como Formalizar a União Estável: As partes podem realizar através de Escritura Pública firmada no cartório de notas ou Contrato Particular registrado no Cartório de Títulos e Documentos. Os documentos em geral são: i) Registro Geral – RG; CPF/ Comprovante de endereço; Certidão de Estado Civil emitida em até 90 dias. Porém, vale sempre ressaltar que o ideal é entrar em contato com o Cartório e se informar a respeito da documentação e valores;

VIII) Como fica a Herança: Em recente decisão do STF equiparou o direito sucessório do casamento à união estável, ou seja, antigamente a herança deixada era partilhada de forma igualitária entre companheiro(a)sobrevivente e os filhos. Com a recente decisão, o companheiro(a) passa a herdar 50% e os outros 50% são partilhados entre os filhos se assim houver. Vale a observação de que é necessário observar fatores, como testamento, regime adotado, mas a regra é a divisão informada.

IX) É possível o reconhecimento da união estável após a morte. Sim, através da ação judicial de reconhecimento de união estável pos mortem.

X) Como se comprovar a união estável. A união estável poderá ser comprovada por fotos, depoimentos de amigos, vizinhos, colegas, conta bancária conjunta, correspondências no mesmo endereço, declarações e posicionamento em redes sociais, Declaração Imposto de renda, entre outros documentos;

XI) Posso reverter a união estável em casamento: Sim, poderá ser revertida a união estável em casamento. Imperioso destacar que, na conversão a data do casamento não irá retroagir, ou seja, passará a valer a partir da conversão, porém, os direitos relativos à união estável não irão se perder, vale no período da constância da união e após o regramento e suas consequências ficam a critério do casamento.

Como dito inicialmente, tentaríamos passar pelos principais pontos e mitos no tocante a união estável. Caso tenha ficado alguma dúvida ou se o seu questionamento não está no referido artigo, entre em contato conosco.
 
Autor: Benner Rodrigo Marques Batista, advogado, especialista em direito de família.

Conheceça nossas Áreas de Atuação
São Paulo-SP

R. Dr. César, 530, 17 andar, Cj 1705
Santana, São Paulo - SP | CEP 02013002
Cel. / Whatsapp : +55 11 96507-6600

como chegar
São Carlos-SP

Rua Belarmino Indalécio de Souza, nº 245
Centro | CEP 13560-292
Cel. / Whatsapp : +55 16 99644-8863

como chegar
Ribeirão Preto-SP

Cel. / Whatsapp : +55 16 99644-8863

Nossas Redes Sociais
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Pedidos online para restaurantes Aumentar vendas e pedidos em restaurantes Aplicativo de delivery para restaurantes Site para fotógrafo Vender fotos online loja online criação de site plataforma de ecommerce Facebook Ads / Instagram Ads